Grandes são os outros, o Fluminense é enorme.

“Grandes são os outros, o Fluminense é enorme.”

Nelson Rodrigues nos presenteou com a frase “Grandes são os outros, o Fluminense é enorme.” Estamos acostumados a acompanhar o nosso Fluminense, conhecer a sua grandiosa história. Mas toda grandiosa história deixa marcas por onde o personagem principal passa. Em Portugal há ruínas de templos romanos. Em Goa, Damão e Diu, na Índia, há ruas com nomes portugueses. Utilizamos algarismos indo-arábicos. 

É inquestionável a importância do Fluminense para o futebol brasileiro, mas parte dessa história é esquecida ou, o que é uma pena, totalmente desconhecida. O objetivo desse trabalho de pesquisa, é dar a conhecer as marcas que o Fluminense deixou por todo o Brasil, inspirando clubes desconhecidos dos quatro cantos do país a vestirem as três cores que traduzem tradição, conhecer os clubes que vestem-se como nós, torcem como nós e amam essas cores como nós amamos e que algum vínculo, por menor que seja ainda sobreviva. Muitos deles não existem mais. Outros são meros coadjuvantes. Alguns, protagonistas. Mas todos carregam na sua história o amor a um Tricolor. 

Muita informação foi retirada dos próprios sites das agremiações, mas muitos desses clubes não existem mais. Esse trabalho de pesquisa nunca seria possível sem o que foi feito de forma espetacular pelos sites:

  • Futebol Nacional: https://futebolnacional.com.br/infobol
  • Escudos de Clubes: http://www.escudosdeclubes.com.br
  • História do Futebol. A Enciclopédia do Futebol na Internet: http://cacellain.com.br/blog
  • Wikepedia

Contribua

Ajude a melhorar essa pesquisa. Se você conhece algum Fluminense que não está presente, envie um e-mail para marketing@tricoracao.com.br com a sua contribuição.

Capítulo I

Fluminense Esportivo Norte Acreano

(Sena Madureira – AC)

Fundação: –

Estádio: Marreirão

Capacidade: –

Fluminense Esportivo Norte Acreano

Na primeira e na segunda década do século XX, floresceu, em sena Madureira, uma intensa atividade cultural, esportiva, artística e literária, graças à imensa riqueza gerada pelo ciclo econômico da borracha. A partir de sua fundação em 1904, a cidade progrediu rapidamente, por se encontrar em uma das mais ricas regiões da Amazônia, onde a seringueira estava associada à castanheira, propiciando grandes safras anuais dos dois produtos de exportações. Como em muitas partes do mundo, o futebol chegou a Sena Madureira numa expectativa para a vida associativa, que tornou-se muito ativa, por volta de 1909, quando do desafogo financeiro decorrente dos altos preços alcançados pela borracha no mercado internacional.

Naquele ano de 1909, foi fundado quatro times de futebol, evento realizado no salão do Teatro Cecy, um grupo formado por: Dr. Flaviano Flavio Baptista, Joviniano Marques, Raul Uchoa, Rui Alencar de Matos, Mario Borges, José N. Dauor, Rachid Dauor,Oscar Barreira, Avelino de Medeiros Chaves, Fabriciano Hoyos, Bertoldo Nunes, Demetrio Padilha, Quintinho Cunha, Assis de Vasconcelos, Desirée Panain, Durval Castelo Branco, Bernardo Magalhães da Silva Porto, Adolfo Celeste Pontes, Herculano Cabral, Zacarias Gondin de Lima, Amphrisio Valamira Fernandes, Raimundo Martins de Almeida (Doca), José Sadin Ganum, Hassem Ganum,Vicente Escocio Drumond,Carlo Fidel Catter, Manoel Ribeiro Braña, José Cezário de Faria, Issac Sarkis, Maximino Ladeira, Almeida Assef, Almeida Derze, Sarah Chamma, Ana Dauor Zarif, Carlota D’Anzicourt, Nazira Chamma, Adélia Pessoa, Atala Chalala Bichara Daher, Mamed Batrich, Jorge Meched e Akel Fares.

Fundaram o primeiro time de futebol, com a denominação de Floresta Macauã Clube seguido pelos times: Alto Purus Club, Ideal Clube e o Team Clube, que disputavam os seus matches. Diante da crise de 1929, estes clubes vieram a desaparecer. Na trajetória do esporte em Sena Madureira, novos clubes foram fundados na década de 1960; O Comercial Esporte Clube, fundado em 1962, o Grêmio Esportivo Acreano, fundado em 1965, além dos clubes São Bento Esporte Clube 1963, Guarani Esporte Clube década de 1960, Santa Cruz Esporte Clube década de 1970, Fluminense Esportivo Norte Acreano década de 1970.

Em 2012, a grande decisão do Campeonato Municipal de Futebol de Campo da 1ª Divisão. Em campo, Fluminense x Sena disputaram, além de troféus e medalhas, o prêmio de 3 mil reais em dinheiro oferecido ao campeão pela Prefeitura de Sena Madureira, sendo que o tricolor levou a melhor ao vencer o duelo pelo placar de 2 X 0.

Independência Futebol Clube Acre

Independência Futebol Clube

(Rio Branco – Capital)

Fundação: 02/08/1946

Estádio: Antônio Aquino Lopes – “Tonicão ou Florestão”

Capacidade: 10.000 lugares

independencia futebol clube acre plantel

Independência Futebol Clube

O Independência foi fundado em 2 de agosto de 1946 por um grupo de empresários da cidade de Rio Branco, inicialmente chamado de Ypiranga Futebol Clube. O clube foi doze vezes campeão estadual e participou de três edições da Copa do Brasil e uma vez da Série B do Brasileirão.

Lagoa Esporte Clube

(Macapá – AP)

Fundação: 24/05/1971

Estádio: Glicerão

Capacidade: 3.500 lugares

Lagoa Esporte Clube

O Lagoa Esporte Clube que integra o grupo de clubes amadores da FAF (Federação Amapaense de Futebol) completou no último domingo (em 2001) 30 anos de fundação.

O clube que nasceu na comunidade do goiabal, ainda mantém sua sede naquele local, mas com as atividades no bairro do Buritizal, onde reside o atual presidente, José Verônico da Silva e onde o time de futebol realiza os seus treinamentos. O Lagoa foi criado em 24 de junho de 1971 por iniciativa de uma série de desportistas residentes na comunidade do Goiabal, que formaram uma equipe para participar das disputas do futebol suburbano, que era feito entre agremiações de vários bairros, com o apoio da FAD (Federação Amapaense de Desportos), que mais tarde passou à FAF (Federação de Futebol). Campeão - O primeiro presidente do alvi-verde da 2ª divisão foi José Natividade dos Santos, que também defendeu as cores do clube, como jogador. Depois do futebol suburbano o Lagoa filiou-se à FAF, onde passou a disputar o campeonato da 2ª divisão, atual certame amador, onde conquistou três títulos: 84, 91 e 93. O clube nunca deixou de disputar a competição no futebol amador.

cse clube sociedade esportiva emblema

Clube Sociedade Esportiva

(Palmeira dos Índios – 140 km da Capital)

Fundação: 21/06/1947

Estádio: Juca Sampaio

Capacidade: 5.000 lugares

sce clube sociedade esportiva

CSE - Clube Sociedade Esportiva

O CSE foi fundado em 21 de junho de 1947, porém já existia desde o ano de 1945. Possuiu uma grande equipe na época do amadorismo, sendo difícil de ser batido em Palmeira dos Índios. A partir do ano de 1966 passa a disputar o Campeonato Alagoano da divisão principal

Esporte Clube Alagoas

(Maceió)

Fundação: Ignorado

Estádio: –

Capacidade: –

Esporte Clube Alagoas elenco

Esporte Clube Alagoas

O Esporte Clube Alagoas foi uma agremiação da cidade de Maceió (AL). O clube disputou três campeonatos alagoanos seguidos: 1954, 1955 e 1956. Importante ressaltar que esta equipe não tem nenhuma relação com o time homônimo fundado em 1995. Foi formado por alguns dirigentes e jogadores do CRB. Brigaram com o clube e saíram para formar o E.C.Alagoas. Usavam um uniforme idêntico e com as cores do Fluminense do Rio.

Fluminense de Feira Futebol Clube emblema

Fluminense de Feira Futebol Clube

(Feira de Santana – 115 km da Capital)

Fundação: 01/01/1941

Estádio: Alberto de Oliveira – “Jóia da Princesa”

Capacidade: 20.000 lugares

Fluminense de Feira Futebol Clube

Fluminense de Feira Futebol Clube

O Fluminense foi fundado no dia 1 de janeiro de 1941, por um grupo de jovens feirenses que eram torcedores do Fluminense do Rio de Janeiro mantendo as cores do homônimo carioca. É o mais conhecido “irmão” do Fluminense.

Fluminense de Feira Futebol Clube

Foi campeão amador em 1947, 1949, 1950 e 1953, profissionalizando-se em 1954, quando aconteceu o primeiro grande passo na história do clube. Convidado pela Federação Bahiana de Futebol, o Fluminense de Feira se tornou profissional e, em 6 de junho do mesmo ano, empatou com o Vitória no Estádio da Fonte Nova por 1–1 em sua estreia e, com apenas dois anos no futebol profissional, em 1956, conquistou seu primeiro vice-campeonato baiano.

Fluminense de Feira

No ano de 1963, se tornaria, pela primeira vez, Campeão Baiano de futebol, conquistando o título em cima do Bahia. Essa história seria novamente escrita em 1969, contra o mesmo Bahia. Esse seria o último título do Touro do Sertão, e de um time interiorano no torneio. Somente em 2006, o Colo-Colo quebraria o tabu de quase 40 anos sem que um clube do interior do estado vencesse o certame. Em 1998 e 2009, conquistou a Taça Estado da Bahia (atual Copa Governador do Estado da Bahia), que garantia uma vaga na Série D do Campeonato Brasileiro. Ganhou também a Copa SERBA em 2006, disputado apenas entre clubes dos estados da Bahia (exceto a dupla Ba-Vi) e Sergipe[3]. O Touro chegou a ser vice-campeão baiano em seis oportunidades, nos anos de 1956, 1968, 1971, 1990, 1991 e 2002. Em 1991 e 2002, ganhou vaga na Copa do Brasil de Futebol com o vice-campeonato.

Fluminense Futebol Clube de Camaçari emblema

Fluminense
Futebol Clube de Camaçari

(Camaçari – 42 km da Capital)

Fundação: 08/11/1968

Estádio: Armando Olieira

Capacidade: 10.000 lugares

Fluminense Futebol Clube de Camaçari

Fluminense Futebol Clube de Camaçari

O atual Camaçari nasceu com um nome diferente, este era Fluminense de Camaçari. A sua primeira participação no futebol profissional ocorreu em 1989 quando tornou-se vice-campeão da 2ª Divisão ao empatar os dois jogos da final, 2 a 2 em Camaçari e 0 a 0 em Riachão do Jacuípe contra o tradicional Jacuipense que faria no ano seguinte sua estréia na 1ª Divisão. Ambos os clubes eram novatos e surpreenderam os tradicionais ABB, Estrela de Março, Guarany e Ypiranga.

Fluminense Futebol Clube de Camaçari

Higino Santana Soares, o Gino, foi o primeiro presidente da era profissional e responsável pela montagem do time vice-campeão em 89, foram poucas semanas para formar a equipe, a primeira profissional da história do Fluminense de Camaçari. Em 1991 finalmente veio o título e o acesso, junto com eles a troca de nome para Camaçari Futebol Clube, a equipe, nascida em 1968, chegou a ser rebaixada em 1996, mas obteve o título da 2ª Divisão em 1997 e não mais foi rebaixada. Na foto, o primeiro time profissional do Fluminense.

Fluminense de salvador

Fluminense
Foot-ball Club de Salvador

(Salvador)

Fundação: 13/05/1905

Estádio: Campo dos Martyrees

Capacidade: 10.000 lugares

Fluminense Foot-Ball Club de Salvador

O Fluminense Futebol Clube é um clube brasileiro de futebol extinto, da cidade de Salvador, no Estado da Bahia. Nomeado através do Fluminense Football Club do Rio de Janeiro foi um clube com inicío promissor no futebol ganhando dois Campeonato Baiano de Futebol e posteriormente 5 vice-campeonatos. Títulos: Campeonato Baiano: 2 vezes (1913 e 1915). Vice-Campeonato Baiano: 6 vezes 1914, 1916, 1917, 1919, 1920 e 1930. Torneio Início: 1946.

Outros, sem dados relevantes:

Fluminense (Coaraci)

Fluminense (São Francisco do Conde)

calouros do ar

Calouros do Ar Futebol Clube

(Fortaleza – Capital)

Fundação: 01/01/1952

Estádio: Brigadeiro Médico José da Silva Porto

Capacidade: 3.000 lugares

calouros do ar

Calouros do Ar Futebol Clube

O Calouros do Ar foi fundado em 1º de janeiro de 1952. O nome é em homenagem ao conjunto musical da Base Aérea de Fortaleza e aos aspirantes a oficiais aviadores que chegavam todos anos à Base.

Calouros do ar

No dia 12 de junho, o Botafogo faria uma partida diante do Calouros, uma espécie de preliminar, num sábado. A festa mesmo dos 40 anos, seria no dia seguinte, domingo, quando os visitantes enfrentariam o Ceará. Durante o jogo, o Calouros do Ar enfrentou o time carioca de igual para igual. Apesar de que, das grandes estrelas do clube alvinegro, só veio Garrincha - Didi e Nilton Santos não vieram para a partida.

O Calouros marcou 1 a 0 na etapa final, gol marcado por Orlando Ciarlini, que recém havia entrado na partida, aos 40 minutos. O placar terminou com este mesmo placar para o Calouros, um dos maiores feitos da história do clube, comparável a conquista do campeonato estadual de 1955.

Sociedade Esportiva e Cultural Terra e Mar Clube

(Fortaleza – Capital)

Fundação: 01/06/1938

Estádio: Luiz Cesário

Capacidade: 5.000 lugares

.

terra e mar

Sociedade Esportiva e Cultural Terra e Mar Clube

A Sociedade Esportiva e Cultural Terra e Mar Clube é um clube de Fortaleza, capital do Ceará tendo sede no bairro do Mucuripe, na orla marítima da cidade de Fortaleza e está presente há alguns anos na terceira divisão cearense. O terra e mar atualmente é comandado por um grupo de moradores do bairro do mucuripe, e para sobreviver usam o estadio do clube em eventos. As cores do uniforme do Terra e Mar é o grená, verde e o branco, sendo o 1º uniforme, é a camisa listrada horizontalmente em grená, branco e verde, com short grená e meiões brancos. O 2º uniforme, é composto por uma camisa branca, com detalhes em grená e verde, com short branco e meiões brancos.

Outros, sem dados relevantes:

Fluminense Foot-ball Club de Fortaleza (extinto)

Sport Club Fluminense(extinto)

rio branco

Rio Branco Futebol Clube

(Venda Nova do Imigrante – 106 km da Capital)

Fundação: 29/06/1945

Estádio: Olímpico Perim

Capacidade: 3.000 lugares

rio branco

Rio Branco Futebol Clube

O Rio Branco Futebol Clube, mais conhecido como Rio Branco de Venda Nova ou Rio Branco-VN, é um clube de futebol brasileiro de Venda Nova do Imigrante, Espírito Santo.

rio branco

Suas cores tradicionais são o branco, verde e vermelho. Na Primeira Divisão do Campeonato Capixaba, o melhor resultado do Rio Branco de Venda Nova foi a disputa da final do Capixabão de 1995 e o posterior vice-campeonato.

Nacional Itaguaçu

Nacional Futebol Clube

(Itaguaçu – 130 km da Capital)

Fundação: 15/03/1933

Estádio: Aniceto Frizzera

Capacidade: 3.000 lugares

Adicione o texto do seu título aqui

Nacional Futebol Clube

Em 1998, o Nacional Futebol Clube ficou com vice-campeonato da Segundona Capixaba. O clube foi campeão do Centro Serrano (2012), depois faturou a Copa Norte (2013), importante competição equivalente ao Campeonato Capixaba da 2ª Divisão, que reúnem diversas equipes importante do estado.

nacional itaguassu

Em 1998, o Nacional Futebol Clube ficou com vice-campeonato da Segundona Capixaba. O clube foi campeão do Centro Serrano (2012), depois faturou a Copa Norte (2013), importante competição equivalente ao Campeonato Capixaba da 2ª Divisão, que reúnem diversas equipes importante do estado.

Gloria Espirito Santo

Glória Futebol Clube

(Vila Velha-ES)

Fundação: 01/01/1948

Estádio: Estádio do Glória

Capacidade:

Glória Futebol Clube

Em 05 de março de 1948 era fundado o Glória Futebol Clube na cidade de Vila Velha. O Glória nasceu de uma brincadeira. Dona Perpétua, uma professora conhecida por todos na região, vendo que muitos meninos da redondeza costumavam brincar na rua em frente a sua casa, mas eram todos humildes sem condições de possuir brinquedos, ela então confeccionou uma bola, a famosa “bola de meia”, quem aqui nunca usou? pelo menos nas gerações dos anos 70,80 e começo de 90 quase todos. A bola improvisada foi entregue à garotada que não perdeu tempo, armou logo uma pelada que virou rotineira e que foi se tornando cada vez mais organizada. Até que surgiu a ideia de se criar o Glória Futebol Clube, e de se construir um campo na área onde hoje fica a pracinha em frente à fábrica de Chocolates Garoto. Ali o Glória começou a disputar partidas contra equipes que vinham de outros localidades. Dizem que o escudo e cores foram inspirados no Fluminense/RJ time que Dona Perpétua simpatizava.

Em 1976, com a construção de um estaleiro de desmonte de navios do grupo NISIBRA ao lado do campo do Glória, o terreno foi negociado e o então presidente do clube, Edelberto Vila Flor, adquiriu uma nova área, desta vez no bairro Divino Espírito Santo, onde foi construído o novo campo e onde o time permaneceu até 1996. Em 1997, já no mandato de Deijadir Thomaz (Didi), o campo do bairro Divino Espírito Santo foi vendido e, com o dinheiro, adquiriu-se uma área maior, com vinte um mil metros quadrados, no Bairro Darly Santos, pra onde o Glória Futebol Clube se transferiu.

Nesse local está a sede social e esportiva do clube, que hoje conta com um campo de futebol oficial com iluminação, além de dois campos de futebol Society, um campo de bocha e uma sede social de quinhentos metros quadrados.

Centenário Futebol Clube

(Vitória-ES)

Fundação: 06/01/1929

Estádio: 

Capacidade: 

centenario espirito santo

Centenário Futebol Clube

O Centenário Futebol Clube, é uma agremiação da cidade Vitória (ES). Fundado no dia 06 de Janeiro de 1929, a sua sede fica localizada na Rua Major Clarindo Fundão, 136, no Bairro Praia do Canto, em Vitória. Originalmente tricolor (vermelho, branco e verde), o Centenário participou do Campeonato Capixaba em quatro oportunidades: 1937, 1938, 1939 e 1940. Atualmente o clube ainda existe, mas apenas social e não mais dentro das quatro linhas.

Barrense de Vila Velha

Esporte Clube Barrense

(Vila Velha-ES)

Fundação: 22/04/1948

Estádio: Estádio do Barrense

Capacidade: 

Barrense de Vila Velha

Esporte Clube Barrense

Esporte Clube Barrense, da Barra do Jucu em Vila Velha, é uma equipe amadora fundada em 22 de abril de 1948.

Manda seus jogos no Estádio conhecido como Campo do Barrense, o clube tem uma torcida apaixonada e fiel que costuma lotar a arquibancada nos dias de jogos decisivos, uma marca registrada nos jogos do Barrense é o ambiente bem familiar. A equipe é focada no futebol amador e na base, no amador tem uma conquista muito importante, em 1977 foi campeã da Copa Arizona seção estadual, esta competição era nacional e abrangia 13 estados, PA, CE, ES, PB, PE, GO, MT, MG, PR, RJ, RS, SC e SP, este título foi conquistado contra equipes da Grande Vitória (Vitória,Vila Velha, Serra e Cariacica).

Em 2013 ano inesquecível, título da Interligas, que é um torneio que reúne clubes do estado todo no futebol amador, o Barrense fazia ótimas partidas em casa mas fora de seus domínios não tinha bom desempenho. Começou perdendo por 4x2 para o Vig-Serv fora de casa em Presidente Kennedy, em casa venceu Santa Cruz por 2x1, perdeu para Diamantina por 2x1 na Serra, venceu Santos por 3x0 e o Democrata por 4x3 ambas em casa vitórias que classificaram a equipe para as quartas de final. Nas quartas enfrentou o União de Cariacica que foi 3º no Grupo B e vinha invicto, na partida de ida em Vale dos Reis o Barrense voltou com péssimo resultado de derrota por 3x0, estaria ali acabado o campeonato? Na volta surpreendentemente o Barrense avançou devido vitória por W.O do União que abandonou a disputa.

Em 2014 o Barrense teria outra missão inédita, buscar o bicampeonato. Começou com derrota para o Guarany de Vila Velha por 2x1, nova derrota agora por 2x0 para o Boca Junior também em Vila Velha, na primeira partida em casa empate em 0x0 com Central Carapina, a primeira vitória foi apenas na 4ª partida 3x0 no Social também em casa, a partida contra o Parma da Serra foi cancelada, 3x3 com Botafogo em São Mateus, 3x0 no Campinho de Domingos Martins em casa. Chegou a última rodada precisando vencer a todo custo o Vig-Serv para se classificar e conseguiu, aplicou sonoro 4x0 se classificando em 3º lugar com 11 pontos graças ao saldo de gol de +7 contra +1 do Campinho, o Botafogo de São Mateus ficou com 11 mas devido 2 vitórias contra 3 dos adversários foi eliminado. Nas semi finais encarou o Guarani da estréia com derrota e se vingou com grande estilo, duas vitórias 1x0 na ida na Barra do Jucu e 2x1 na volta no Campo do Tartarugão em Vila Velha. Na final o Vig-Serv o mesmo que foi goleado por 4x0 na 1ª fase, mas lá tinha um porém, a equipe já era líder isolada e classificada sem nenhuma importância o placar daquela peleja. Na partida de ida o Barrense fez a sua parte e venceu por 2x1 em casa agora jogando pelo empate na volta. Mas na partida de volta o Vig-Serv venceu por 4x3 com isso levando a decisão para os pênaltis, e lá o Barrense perdeu a primeira parando no goleiro,Vig-Serv fez 1x0, Barrense viu a situação ficar dramática, mas o Vig-Serv perdeu sua cobrança, na 3ª Barrense fez 1x2 , Vig-Serv também 3x1, na 4ª cobrança Barrense fez 3x2, mas agora e Vig-Serv fazendo acabaria ali o sonho do bicampeonato, mas não é que o Vig-Serv parou no goleiro que espalmou e ela ainda beijou a trave e voltou para suas mãos...Agora na 5ª e última cobrança o Barrense poderia deixar tudo igual mas a situação ainda era dramática, mas a bola parou no travessão, com isso o cobrador kennedense marcou e o Vig-Serv terminou vencendo por 3x2 ficando com troféu no Campo do Jaqueira.

Vitória Futebol Clube

(Vitória-ES)

Fundação: 22/04/1948

Estádio: Estádio do Barrense

Capacidade: 

Campinas Futebol Clube

Apesar de o Vitória não ostentar as nossas cores, no Espírito Santo não é apenas o Rio Branco a envergar um pouco da história do Fluminense. No começo do século XX, a fundação de clubes de futebol era mania entre os jovens de diversas partes do Brasil. A prática desportiva estava em alta e o futebol, trazido ao país por Charles Miller em 1895, pouco a pouco foi caindo nas graças dos brasileiros, tornando-se o esporte favorito da maioria. Clubes de futebol surgiam por toda a parte, mas eram os clubes da juventude elitizada do Rio de Janeiro que alcançavam maior fama, como o Botafogo e o Fluminense. Este último, considerado pelos rapazes da época como um modelo pela sua organização e glamour, inspirava capixabas como Jair Tovar e Nelson Monteiro. No início da década de 1910, os dois estudavam no Rio de Janeiro e, ao retornarem à Vitória para suas férias, encantavam os amigos com relatos das partidas disputadas na então capital federal. Decidiram-se, então, por iniciar a prática do futebol no Espírito Santo, com a mesma pompa, organização e formalismo empregados por seus pares cariocas. Reuniram-se em um sobrado da rua São Francisco, pertencente à viúva Constança Espíndula, mãe de Constâncio e Taciano Espíndula, dois dos amigos que, até então, disputavam as suas peladas na rua Sete e no Alto do São Francisco. João Pereira Neto presidiu os trabalhos, que resultaram na fundação do primeiro clube de futebol do Estado. Concordaram em dar ao clube o nome da cidade que lhe serviria de sede. Nascia ali, portanto, o Foot-Ball Club Victoria. A ata daquela reunião acabou perdida em épocas futuras, mas podemos citar alguns nomes dos pioneiros presentes àquela reunião do dia 1 de outubro de 1912: João Pereira Neto, João Nascimento, Armando Ayres, Graciano e Edgar dos Santos Neves, Névio Costa, Edgard e Pedro O’Reilly de Souza, Constâncio e Taciano Espíndula. Pereira Neto foi eleito o primeiro presidente; Nascimento e Costa, os dois tesoureiros; e Edgard O’Reilly, diretor de esportes

Campinas Futebol Clube

(Goiânia – Capital)

Fundação: 06/04/1964

Estádio: Arena Campinas

Capacidade: 3.000 lugares

Campinas Futebol Clube

O Campinas Esporte Clube (atual Campinas Futebol Clube) é uma agremiação da Cidade de Goiânia (GO). A história do clube surge em 1946, com o nome de Associação Bancária. Três anos depois mudou para União Bancária. Em 1955, adotou o nome de Associação Mariana de Esportes. Em 1958, passou a se chamar Associação Campineira de Esportes. E, finalmente, no dia 06 de Abril de 1964, após a fusão entre a Associação Campineira e o Santa Rita Esporte Clube, nascia o Campinas Esporte Clube.

Campeonato Goiano e Polêmica Em 1964, o Campinas terminou o Estadual na 9ª posição. O time ainda participou nos Estaduais de 1965, 1971 (5º lugar) e 1972 (4º colocado). Há duas vertentes sobre o surgimento do Campinas Esporte Clube. O primeiro descrito acima, baseado em dois livros (“30 anos de Futebol em Goiânia”, publicado em janeiro de 1975, de autoria de Lisita Junior, pela Editora Dom Bosco – ‘Arquivos do Futebol Goiano’, de autoria de João Batista Alves Filho) e o outro diz que o time disputou o Campeonato Goiano de 1944 (terminando em quinto e último lugar), e que em 1946 alterou o nome para Associação Bancária de Goiás (ABG). No entanto, no próprio escudo do Campinas consta como 1964 o ano da sua fundação. Fica o registro desta questão.

Outra questão: as cores do Campinas E.C. Segundo o jornalista e pesquisador do futebol goiano, Gerliézer Silva, após a sua fundação (1964), os jornais daquela época chamavam a equipe de ‘Celeste’, e também porque um ex-presidente que afirmou que era um time azul e branco. A mudança de uniforme para ‘Tricolor aconteceu em 1971, quando o Luiz Miguel Estevam, que era torcedor do ferrenho do Fluminense, assumiu a presidência do Campinas e adotou as cores verde, branca e grená.

Novo emblema do Campinas

Na sua curta duração como clube da elite o Campinas Futebol Clube teve vários momentos de glória e agora essa saga continua através de um trabalho social. Este é o seu novo emblema.

Morrinhos
Futebol Clube

(Morrinhos- GO)

Fundação: 02/08/1946

Estádio: Centro Esportivo João Vilela

Capacidade: 5.040 lugares

Morrinhos Futebol Clube

Morrinhos Futebol Clube é um clube brasileiro de futebol da cidade de Morrinhos, no estado de Goiás. Foi fundado dia 20 de abril de 1982,sendo que em 2007 teve o seu nome e marca trocados dando início a uma nova era para o futebol da cidade de Morrinhos. Time de bons resultados, em três anos passou da Série C 2007, conquistando em 2009 uma vaga para o Série A, fazendo parte da elite do futebol goiano, manda seus jogos no Centro Esportivo João Vilela.